01
jan
11

Os 7 melhores filmes de 2010

Charles Antunes Leite

Toy Story 3 (Toy Story 3, EUA, 2010)
Direção: Lee Unkrich

A missão de conseguir um bom roteiro, personagens cativantes e trama envolvente em se tratando do terceiro filme de uma franquia,  nem sempre é fácil. Toy Story conseguiu. O epílogo da história dos brinquedos e seu dono Andy, que cresceu e está a caminho da faculdade. Chega a hora de Andy se despedir das coisas de criança e seguir para a vida adulta. Essa mudança também é sentida pelos brinquedos que aguardam angustiados o seu destino: ir para lixo, serem guardados no sótão ou doados. Na terceira parte de Toy Story, os bonecos mais que nunca, se metem em aventuras e criam vida. A  brincadeira é vista da ótica do brinquedo que se sente ligado ao dono e a utilidade que tem para vida deste. Enquanto a criança cresce, ele envelhece. Quem não tem algum brinquedo guardado no fundo de uma caixa e que aparece quando estamos fazendo uma limpeza e nos traz de volta a memória das tardes de aventuras de uma infância longínqua? O filme consegue fechar uma trilogia sem altos e baixos e muitos consideram a terceira parte ainda melhor que os anteriores.

O Segredo dos Seus Olhos (El Secreto de Sus Ojos, Argentina/ Espanha, 2009)
Direção: Juan José Campanella

A história de um brutal assassinato e a obsessão de um homem para resolvê-lo. Benjamin Esposito (Ricardo Darín) ao se aposentar do cargo de oficial de justiça começa a escrever um livro sobre o crime ocorrido em 1974. Na época, ele foi designado para investigar um caso de estupro e assassinato de uma jovem. É desta forma que Benjamin conhece Ricardo Morales (Pablo Rago), marido da falecida, a quem promete ajudar a encontrar o culpado. Para tanto, ele conta com a ajuda de Pablo Sandoval (Guillermo Francella), seu grande amigo e Irene Menéndez Hastings (Soledad Villamil), sua chefe imediata, por quem nutre uma paixão secreta. Uma trama cheia de mistério, romance e comicidade graças ao talento de Ricardo Darin e a direção de Campanella.

A Origem (Inception, EUA/ Reino Unido 2010)
Direção: Christopher Nolan

Don Cobb (Leonardo Di Caprio) é especialista em invadir a mente das pessoas durante o sono e roubar-lhes os segredos. Essa habilidade faz com que seja alvo de grupos de espionagem e ele se torne um fugitivo. Cobb para redimir-se é contratado para implantar pensamentos e não roubá-los e conseguindo executar a missão poderá retornar para sua casa e para seus filhos. Paul Franklin, já havia trabalhado com Christopher Nolan nos filmes do Batman, foi o responsável por conceber o cenário e os efeitos oníricos, essenciais para condução da trama. Os efeitos e as sequências de perseguição tornam o filme dinâmico. Várias dimensões do sonhar se misturam quando sonhos são sobrepostos. A realidade e os sonhos se confundem. A Origem mostra que os sonhos são feitos de impulsos cerebrais, logística, química e arquitetura para que o sonhador possa trilhá-los com segurança. Mais um grande triunfo de Nolan (Batman – O Cavaleiro das Trevas). O filme gerou muitos comentários e interpretações pelo público.

Tropa de Elite 2 (Tropa de Elite 2, Brasil, 2010)
Direção: José Padilha

Segunda parte da saga do Capitão Nascimento (Wagner Moura) em sua luta contra o crime no Rio de Janeiro. Nascimento é afastado do BOPE, após operação mal sucedida, no entanto é promovido a Coronel. Ele sai da batalha contra traficantes nas favelas e vai para trás de uma mesa na Secretaria de Segurança Pública do Estado e verá que os criminosos mais perigosos  estão infiltrados no órgão que deveria combatê-lo. Tropa de Elite é conduzido como se fosse uma produção “hollywoodiana” com muitas explosões e tiroteios, em sequências dirigidas magistralmente por Padilha. O filme se tornou por conta da qualidade e aceitação do público o recordista brasileiro de bilheteria superando Dona Flor e seus Dois Maridos (1976) que ocupava o posto a 34 anos.

Machete (Machete, EUA, 2010)
Direção: Robert Rodriguez

Não me lembro de um início de filme com a intensidade da carnificina executada por Machete. A violência é um dos ingredientes dos filmes dirigidos por Robert Rodriguez (El Mariachi, Um Drink no Inferno e Planeta Terror). Machete (Danny Trejo) é um agente federal e imigrante mexicano que cai em uma armadilha do traficante de drogas Torres (Steven Seagal), que resulta na morte de sua esposa e o torna um renegado. Três anos depois, Machete, que agora trabalha como operário, é contratado por Michael Booth (Jeff Fahey) para assassinar o Senador John McLaughin (Robert De Niro), que quer expulsar todos os imigrantes ilegais do México. Ele é incriminado no atentado e com a ajuda do  “Padre” (Cheech Marin), Shé (Michelle Rodriguez) e Sartana (Jéssica Alba) ele vai empreender uma luta contra Torres e sua orgnização.

Ilha do Medo (Shutter Island, EUA, 2010)
Direção: Martin Scorsese

O drama de Martin Scorsese, como o título sugere, se passa em uma ilha que abriga um hospital psiquiátrico para criminosos, espécie de Asilo Arkham. Dois policiais (Leonardo Di Caprio e Mark Ruffalo) vão para lá para investigar o desaparecimento de um paciente do Shutter Island Ashecliffe Hospital, em Boston. Durante a trama as coisas se revelam nebulosas e nada é o que parece à primeira vista. Os policiais encontram resistência de todos os funcionários e da direção da instituição. No hospício são realizadas experiências ilegais com os internos. Impossibilitado de sair da ilha devido à tempestade, Teddy Daniels (Di Caprio) começa a ser drogado inconscientemente e passa a ser tratado como um paciente. O “thriller psicológico” já havia sido explorado pelo cineasta em Cabo do Medo (1991) com Robert De Niro e se distancia dos filmes tradicionais de Scorsese, mas prende a atenção.

Tetro (Tetro, Argentina, Itália, Espanha, EUA, 2009)
Direção: de Francis Ford Coppola

O ingênuo Bennie (Alden Ehreinreich), de 17 anos, chega a Buenos Aires para encontrar seu irmão mais velho, Angelo (Vincent Gallo), que resolveu tirar um ano sabático para escrever um livro e nunca mais entrou em contato com a família. Angelo não é mais a mesma pessoa, inclusive renegou o nome de batismo e passou a se chamar Tetro. Ele parou de escrever, vive com uma bela dançarina e trabalha como iluminador de teatro. O filme utiliza “flashbacks” para explicar o motivo do afastamento de Tetro. No final uma revelação torna ainda mais profunda a relação dos dois irmãos.

Anúncios

1 Response to “Os 7 melhores filmes de 2010”


  1. fevereiro 1, 2011 às 7:07 pm

    Adorei vários dos filmes listados por você! Toy Story 3, O Segredo dos seus Olhos e A Origem são filmes obrigatórios para todo cinéfilo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


tweets

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: