24
mar
13

The Next Day, David Bowie (2013)

Charles Antunes Leite

the next dayDavid Bowie rompeu o silêncio que sucedeu o último álbum de estúdio Reality (2003) ao anunciar o lançamento de The Next Day no dia em que completou 66 anos. O cantor gravou em Nova Iorque com o produtor Tony Visconti que já havia colaborado em vários de seus discos desde Space Oddity (1969).

Bowie revisitou referências visuais e musicais de vários de seus trabalhos desde a década de 1970, principalmente a fase Berlim. Alusões ao período podem ser percebidas desde a reciclagem da capa de Heroes (1977). O título foi riscado e The Next Day aparece em fonte preta num quadro branco sobre a foto original.

O primeiro clipe Where Are We Now?, dirigido por Tony Oursler, serviu como apresentação dessa volta ao “Berlim sound”: Um boneco siamês tendo um rosto de mulher e o outro do próprio Bowie em cima de uma mesa num cômodo (ou seria a memória?) em meio vários objetos que remetem a estadia do camaleão em Berlim. O rosto do artista é mostrado ao natural, sem maquiagem ou retoques – traços característicos de um sexagenário aparecem no rosto. Num telão, atrás do boneco, cenas da fase berlinense se desenrolam. A letra menciona lugares pelos quais passou. A balada com tom pesaroso e voz quase embargada remete à Buddha Of Suburbia que por sua vez trazia riffs de Space Oddity.

O disco não se propõe a temas tristes: momentos mais alegres como a cantarolável Valentine’s Day ou If You Can See Me em que a estrutura traz bateria drum bass e vocal semelhante ao U2 circa 83 no início e que depois retoma o vocal tradicional de Bowie.

Em I’d Rather Be High a bateria marcial e guitarra hipnótica. Boss of Me traz o diálogo entre bateria e saxofone direcionando à Black Tie White Noise (1993). How Does The Grass Grow?, o teclado soa como Led Zeppelin em In Through the Out Door (1979). The Next Day é vigorosa como nos tempos do Tin Machine – peso e groove – conquista na primeira audição. O mesmo vale para (You Will) Set The World On Fire.

The Stars (Are Out Tonight) remete aos trabalhos da primeira metade dos anos 1980. O vídeo clipe apresenta a atriz Tilda Swinton como esposa do camaleão. Um casal maduro à sombra de um passado de fama e excessos que se veem assombrados por casal de adolescentes rebeldes – ele traz o visual e maneirismos de Bowie nos Golden Years 1974/76.

A cadência do saxofone lembra o grupo Morphine acrescido de guitarra enquanto a letra é praticamente declamada em Dirty Boys. A suntuosidade de arranjos de cordas e coral gospel conduzidos por bateria marcial permeiam You Feel So Lonely You Could Die, enquanto Heat – a derradeira faixa na versão standard do álbum- é climática, pessimista e bela. Aos 66 anos, o camaleão ainda é capaz de surpreender e provar que não se aposentou.

Álbum: The Next Day, 2013
Artista: David Bowie
Gravadora: Sony

Anúncios

0 Responses to “The Next Day, David Bowie (2013)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


tweets

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: