Posts Tagged ‘Mick Jagger

11
jan
16

Adeus, Bowie!

images9658JGGR

David Bowie nascido David Robert Jones em 1947, em Brixton, Londres (UK) desenvolveu a aptidão para música ainda na pré-escola. Ele ficava fascinado pelos discos do pai: Little Richard, Elvis Presley entre outros. Durante a juventude aprende a tocar diversos instrumentos, se aprofunda na pesquisa de novos sons e a desenvolver a figura de performer que anos mais tarde aperfeiçoaria.

O nome artístico veio da insatisfação de ser confundido com Davy Jones dos Monkees. Ele adota o sobrenome Bowie (facas Bowie). Outra marca característica do artista são os olhos de cores diferentes adquirida aos 15 anos de idade – devido a um soco desferido pelo “amigo” (sic) George Underwood – a pupila esquerda se mantém constantemente dilatada daí a diferença de coloração.
Foto-0641

Bowie adotou vários heterônimos (Major Tom, Ziggy Stardust, Aladdin Sane, Thin White Duke etc) como Fernando Pessoa; foi revolucionário para o Pop Rock como Miles Davis para o Jazz. David Bowie era um artista de muitos talentos: cantor, compositor, produtor, multi-instrumentista, ator – como não se lembrar dele em filmes como o drama de guerra Furyo – Em Nome da Honra (1983), o vampiro John de Fome de Viver (1983) ou Jareth, o rei dos duendes de Labirinto (1986). Da mesma forma que a imagem, a música de Bowie também se diferenciava de um disco para outro. Na discografia podemos destacar trabalhos de inegável valor como Hunky Dory (1971),The Rise and Fall of Ziggy Stardust and Spiders From Mars (1972), Aladdin Sane (1973), Diamond Dogs (1974), Young Americans (1975), Low e Heroes(1977), Lodger (1979) e Scary Monsters (1980) . O “Camaleão” em constante mutação e à frente de seu tempo anunciava tendências e influenciava músicos, atores, estilistas, o mais variado leque de artistas das mais variadas áreas.

Um grande artista que esteve sempre se reinventando e para isso se juntava aos seus pares: revitalizou a carreira de Iggy Pop compondo com ele e produzindo os discos (The Idiot e Lust for Life, ambos de 1977); também produziu Lou Reed no clássico álbum Transformer (1972); parceiro de John Lennon na música “Fame” (Young Americans, 1975) e Queen ”Under Pressure” (Hot Space,1982); regravou a canção “Dancing in the Streets” em dueto com Mick Jagger em 1985.

David Bowie em Sao Paulo (1990)

David Bowie em São Paulo (1990)

Assisti ao show de um Bowie na meia-idade na Sound + Vision Tour em 1990, no Palestra Itália (atual Allianz Parque), mas infelizmente não fui à exposição no MIS em 2014 por falta de tempo e disposição para enfrentar filas quilométricas.

the next dayDavid Bowie se retirou dos holofotes após a Reality Tour em 2004. Ele ensaiou um retorno em 2013 surpreendendo fãs e crítica com um clipe que anunciava novo álbum de inéditas The Next Day – mesmo não se equiparando aos trabalhos anteriores a 1980, pode ser considerado muito acima da média de discos posteriores dele ou de outros artistas contemporâneos. Bowie morre três dias após completar 69 anos e de lançar seu vigésimo oitavo álbum “Blackstar”.

David Bowie saiu de cena de surpresa como sempre o fez ao apresentar suas mutações aos fãs. O “Camaleão” se junta ao panteão dos grandes nomes da música que deixaram esse plano; deixa um legado artístico para a eternidade.

Por Charles Antunes Leite

 

Anúncios
29
mar
12

Músicas & Musas – A verdadeira história por trás de 50 clássicos pop

Charles Antunes Leite

A curiosidade pelas mulheres que inspiraram direta ou indiretamente grandes compositores do pop rock acompanha, há décadas, os ouvintes e fãs. Músicas & Musas pretende trazer à tona histórias de namoradas, esposas, rivais, “groupies”, celebridades e até mesmo das ilustres desconhecidas que inspiraram 50 das maiores canções pop. Muitas dessas histórias são divulgadas pela primeira vez e se unem a outras já conhecidas.

Entre canções notórias e pérolas de pouca repercussão, pelo menos no Brasil, os autores contextualizam  a personagem inspiradora na vida do compositor e o destino nebuloso delas após a repercussão das referidas músicas. Também descrevem a trajetória do artista e a importância da canção na discografia.

Frank Hopkinson e Michael Heatley elucidaram a origem das músicas e as mulheres que as inspiraram. Pesquisaram matérias em jornais, revistas e depoimentos dos compositores para chegar à história por trás de cada música.

Algumas musas são influências claras, chegando a intitular a música, enquanto outras são sopros de inspiração ou algum detalhe associado a outras informações na composição do perfil/ canção.

A perda é a maior fonte de inspiração artística, principalmente na Música, como pode ser conferido em In The Air Tonight, o primeiro sucesso solo de Phil Collins. O baterista e cantor do Gênesis descobriu o fim do casamento ao voltar de uma turnê e constatar que a esposa o trocara pelo pintor que trabalhava na reforma da mansão deles. A composição se deu num desabafo ao piano na casa vazia.

George Harrison (Something) e Eric Clapton (Layla) elegeram a mesma musa: Patti Boyd. O fascínio pela modelo resultou em duas das melhores canções das discografias de ambos. Ela chegou a se casar com Harrison e depois o trocou por Clapton, mas a amizade entre os dois guitarristas seguiu inabalada.

Musas podem se tornar esposas e ex-esposas podem se tornar fonte de inspiração. Uma canção pode mudar completamente o rumo de uma carreira.

E não podemos esquecer os amores não correspondidos como Diana de Paul Anka,  ou ainda um pedido de desculpas de Bono (U2) para a esposa em  Sweetest Thing. Até mesmo o fato de uma das musas descritas no livro não ser exatamente uma mulher, e sim um travesti, não foi impecilho para o sucesso de Lola dos Kinks.

Os autores poderiam incluir as letras completas e não apenas trechos selecionados. A edição brasileira poderia ser enriquecida pelas letras traduzidas, mesmo sendo difícil traduzir alguns termos,  para que o leitor pudesse acompanhar a narrativa na íntegra.

A capa é linda e sugestiva: Marianne Faithfull, musa e ex-namorada de Mick Jagger, clicada em PB, sentada no tapete ao lado de uma vitrola ouvindo discos. Música & Musas é leitura deliciosa e recomendável aos curiosos por cultura pop.

Título: Musas & Músicas (The Girl in the Song)
Autores: Frank Hopkinson e Michael Heatley
Tradução: Christiane de Brito Andrei e Cristina Bazan
Páginas: 144
Editora: Editora Gutenberg




tweets

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: